quarta-feira, 30 de março de 2011

LEÃO AMENIZA POLÊMICA E SE DIZ ‘ENTUSIASMADO’

O secretário municipal da Casa Civil, João Leão, em entrevista ao Bahia Notícias, amenizou a polêmica com os vereadores de Salvador e clamou pela necessidade de aprovação do projeto de redução da carga tributária para implantação de empresas no Parque Tecnológico. A proposta prevê a diminuição no ISS, de 5% para 2%, condição imposta pelas companhias para não buscar outros pólos produtivos (ver nota). Leão explicou que foi mal interpretado (ver aqui e aqui), ao propor, a partir de agora, uma negociação entre o Palácio Thomé de Souza e as legendas, em vez da relação direta com os edis, como era feita até a gestão anterior da pasta. De acordo com ele, não há polêmica. “Não tem nada. Ao contrário, continuo entusiasmado com todos os vereadores. Não tenho problema com nenhum. Não aconteceu aquilo. O que eu disse foi que quero fazer, a partir de agora, negociação partidária. Agora, atender às questões dos vereadores é normal. Eu sou parlamentar. Ninguém ia perder cargos. O que eu disse foi que as negociações de cargos serão feitas pelos partidos, até para que os partidos tenham mais controle dos trabalhos que são feitos em prol do Município e para mostrar quais são os vereadores que, realmente, estão a trabalhar pela cidade”, esclareceu. O titular da prefeitura também não considera que haja “rebelião” no adiamento da sessão de votação da matéria, inicialmente marcada para esta quarta-feira (30). “Se não tiver amanhã, pode ter depois, na próxima semana. Uma semana a mais ou a menos não interfere em nada. Os vereadores têm o direito de apreciar e devem apreciar o projeto. O líder do governo, Téo Senna (PTC), já está empenhado em mostrar a importância do projeto para Salvador e para a Bahia”, ressaltou. Já Alfredo Mangueira (PMDB) admitiu ao BN que há insatisfação na própria base governista e chegou a considerar o tratamento dado por Leão ao Legislativo como “chicotada”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário